Loading...

Blog

O ingresso no mercado de trabalho formal

Um dos problemas mais relatados por jovens no mundo todo é a dificuldade de inserção no mercado de trabalho. Se por um lado as empresas não querem contratar um trabalhador sem experiência, por outro, o trabalhador não consegue experiência sem um emprego.

No Brasil não é diferente. Usando dados da RAIS de 2006 a 2017 (dados mais recentes), analisamos o tempo médio de permanência em contratações de primeiro emprego.

O gráfico abaixo mostra que, em média, o trabalhador brasileiro fica seis meses na sua primeira contratação com carteira assinada. A tendência é estável no período analisado.

Em contrapartida, a idade média com que trabalhador consegue seu primeiro emprego formal está aumentando – passou de 33 anos em 2006 para 36,5 anos em 2017.

Alguns fatores podem estar ligados a esse aumento, como, por exemplo, o aumento da escolaridade, que posterga a procura por emprego. Mas, por outro lado, pode ser um efeito exclusivo do mercado formal. Ou seja, devido à dificuldade de inserção no mercado formal nos últimos anos, agravada pela crise econômica, trabalhadores buscam experiências de trabalho no setor informal e só conseguem uma alocação no setor formal quando estão mais velhos.

Os números mostram a dificuldade de se inserir no mercado de trabalho formal brasileiro e, além disso, a dificuldade em se manter no primeiro emprego.

Seja por aumento de escolaridade ou por capacitação prévia no setor informal, a entrada de trabalhadores mais velhos no setor formal não está sendo acompanhada de maior permanência no primeiro emprego.

Comente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − 14 =

Fique bem informado

Receba novidades do IDados no seu e-mail.